Pular para o conteúdo principal

Jurisprudência - Danos morais - Lesão Corporal - Via preferencial

DANOS MORAIS DECORRENTES DE LESÕES CORPORAIS CAUSADAS EM ACIDENTE DE TRÂNSITO - CABIMENTO. O dano moral, sendo dor resultante de violação de um bem juridicamente tutelado, sem repercussão patrimonial, é cabível em decorrência de lesões corporais causadas em acidente de trânsito.
DANOS MORAIS - CRITÉRIOS PARA FIXAÇÃO.
Para alcançar a justa reparação do dano moral sofrido, o magistrado deverá levar em conta diversos critérios, tais como a importância da lesão sofrida, a situação econômica das partes, e a intensidade do dolo ou grau de culpa.Em acidente de trânsito, não tendo sido graves as lesões sofridas pelos autores, nem permanentes, e sendo as partes pessoas de nível econômico médio, razoável se torna a fixação de 15 salários mínimos para cada autor.

( Tribunal: TJSC . Acórdão: Apelação cível 97.004364-3 . Relator: Des. Wilson Guarany.).


AÇÃO DE RESSARCIMENTO POR DANO MATERIAL E MORAL - ACIDENTE DE TRÂNSITO - CULPA APENAS DO MOTORISTA QUE INVADE A PREFERENCIAL SEM AS DEVIDAS CAUTELAS - DANO MORAL - REFERENTE AO SOFRIMENTO FÍSICO E PSICOLÓGICO CAUSADO PELAS LESÕES SOFRIDAS - VALOR DOS LUCROS CESSANTES DE ACORDO COM A PROVA DOS AUTOS.
Age com culpa exclusiva o motorista que, ao adentrar em via preferencial, advindo de via secundária, não tem as devidas cautelas, vindo a abalroar outro veículo. É devido o dano moral decorrente do sofrimento físico, provocado em acidente de trânsito. O valor dos lucros cessantes deve ser calculado com base nas provas dos autos.  Tribunal: TJMG. Número do processo: 2.0000.00.452882-3/000(1). Relator: LUCIANO PINTO)

   
Responsabilidade Civil - Acidente de veículos - Colisão do veiculo motocicleta  que seguia em via preferencial contra o veiculo de propriedade da ré e que por ela era conduzido, e desrespeitando sinalização Pare, cruzou a citada via preferencial em que trafegava a motocicleta conduzida pelo autor - Prova robusta da conduta imprudente, com total desprestigio, até porque não ocorrida a hipótese, da teoria do eixo médio - Dano moral, bem apreciado e fixado, face a restrição física que atingiu o autor, ceifando-lhe práticas esportivas no auge da adolescência - Condução da motocicleta pelo autor, que na época não era habilitado em nada elide a culpa da ré no evento, tratando-se, apenas, de infração administrativa - Recurso improvido.( Tribunal: 1º TAC .Relator: Cunha Garcia..Processo: 845633700.Número do Acórdão: 03200005 )

 
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Demora na notificação do sinistro não acarreta perda do seguro de forma automática.

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o recurso de uma seguradora contra decisão que determinou o pagamento de indenização por roubo de automóvel que só foi comunicado três dias depois.

O caso aconteceu em São Paulo, após o anúncio da venda do carro pela internet. Um assaltante, apresentando-se como interessado no veículo, rendeu o proprietário, anunciou o roubo e fez ameaças de que voltaria para matar a família do vendedor caso ele acionasse a polícia.

De acordo com o processo, o proprietário do veículo, temendo represálias, retirou a família de casa, para só então fazer o boletim de ocorrência do assalto, o que levou três dias. Ao acionar o seguro, entretanto, foi surpreendido com a negativa da indenização.

Para a seguradora, houve a perda do direito à indenização por descumprimento da norma do artigo 771 do Código Civil, que impõe a ciência imediata do fato ao segurador, a fim de que possa tomar as providências cabíveis para minorar as co…

Renúncia por parte do segurado não isenta causador do dano de ressarcir seguradora.

A seguradora tem o direito de ser ressarcida das despesas com o reparo de automóvel segurado, mesmo que a proprietária do veículo tenha assinado e entregue ao causador do dano um documento em que renuncia a qualquer indenização futura relacionada ao acidente de trânsito. 
Esse foi o entendimento da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar recurso interposto por uma empresa de ônibus, inconformada com a ação de regresso movida contra ela pela seguradora. 
No caso, a proprietária do automóvel segurado envolveu-se em acidente ocasionado por motorista de transporte coletivo. Na ocasião, a dona do veículo firmou documento em que renunciou ao direito de pedir reparação futura. 
Processada pela seguradora, a empresa de ônibus alegou que não haveria possibilidade de ação de regresso, uma vez que a proprietária do veículo segurado renunciara expressamente ao direito de pleitear qualquer indenização contra a transportadora ou contra o condutor do ônibus. 
Sub-rogação legal…

Juristas explicam dificuldade de punir motoristas embriagados que matam - Legislação brasileira não é clara. Por isso, casos parecidos podem ter desfechos muito diferentes.

A legislação brasileira não é clara na hora de punir um motorista embriagado quando tira a vida de alguém em um acidente. Por isso, casos parecidos podem ter desfechos muito diferentes. Falar de música é motivo de festa e alegria para a família Higa. Cantar era a paixão da Luiza, a filha mais velha da dona Yoko. Naquele domingo, ela ganhou um prêmio no concurso de karaokê. “Ficou contente e trouxe para cá porque eu não sei dirigir e jantou contente”, ela lembra. Mas a noite feliz acabou em tristeza. “Eu estou andando rezando todo dia, trabalhando e rezando para ela ficar sossegada no céu”, diz Dona Yoko. O pai era o herói de Lucas. E da mulher, Teresa. “A cada dia que passa, a saudade aumenta. No final de semana que é o pior, ele ficava com a gente no final de semana, à noite. Tudo é muito difícil. Não é mais aquela vida que a gente tinha antes. Mudou tudo”, ela diz. José hairton de andrade, o marido da teresa e Luzia Higa, a filha da Dona Yoko, morreram no trânsito em situações muito pare…